Osteoporose

Osteoporose

A osteoporose e osteopenia são o denominador comum da fragilidade óssea que causa milhões de fraturas por ano. Conhecer os fatores que promovem a saúde óssea e prevenir o aparecimento da osteoporose é o passo inicial para ajudar a população adulta a viver melhor

Vamos falar sobre osteoporose …

A osteoporose é uma doença com a intervenção de múltiplos fatores. Isso afeta a arquitetura dos ossos e representa uma das principais causas de incapacidade, morbidade e mortalidade em idosos, tornando-se um problema socioeconômico em todo o mundo. A sua frequência e gravidade aumentam devido ao envelhecimento progressivo da população. Estima-se, por exemplo, que na Europa os custos dos cuidados de saúde, incluindo hospitalização e reabilitação, duplicarão dentro de cinquenta anos. As mulheres são afetadas com mais frequência do que os homens porque geralmente adquirem uma massa menor de tecido ósseo – o que forma os ossos – e após a menopausa experimentam uma maior perda desse tecido em comparação aos homens. Além disso, as mulheres vivem mais tempo e apresentam maior risco de quedas, o que está relacionado ao fato de que a incidência de fraturas do quadril – uma das principais complicações da osteoporose – seja aproximadamente o dobro no sexo feminino.

Na osteoporose, o tecido ósseo sofre uma diminuição da sua qualidade e quantidade. Essas mudanças causam fragilidade no esqueleto, o que aumenta o risco de fraturas, seja devido a um trauma importante, trauma leve (como cair) ou mesmo um trauma inadvertido.

As alterações na estrutura microscópica dos ossos ocorrem tanto no externo (cortical) quanto no interno (trabecular), e incluem perfurações nas trabéculas (pequenas lâminas que formam a estrutura do interior dos ossos), fraturas microscópicas, defeitos na mineralização óssea (essencial para a dureza e força dos ossos), alterações no tamanho do osso e aumento da taxa de rotatividade das células do tecido ósseo. A principal alteração na estrutura de um osso com osteoporose é a diminuição da densidade mineral óssea (quantidade de cálcio e outros minerais presentes nos ossos). Se essa diminuição for leve, trata-se de um quadro de osteopenia, que também aumenta o risco de fraturas. A maioria dos casos de osteoporose estão relacionados ao processo de envelhecimento e à diminuição dos níveis de estrogênio.

Como a osteoporose é detectada?

A maioria das alterações na qualidade óssea não pode ser detectada por medições clínicas e muitas vezes passa despercebida pelo paciente. As manifestações da osteoporose são causadas pelas complicações provocadas e podem incluir dor nas costas (especialmente na área inferior, que pode irradiar lateralmente ou para frente), diminuição da altura da pessoa (mais de 5 cm) e o aparecimento de fraturas. Estas últimas ocorrem mais frequentemente no quadril, coluna e pulso, mas também são vistos em locais como a pelve, ombro e tornozelo. Todas ocorrem com grande facilidade devido à fragilidade dos ossos, e suas consequências são variáveis: desde um achado radiológico sem ter causado sintomas, passando por dor crônica, incapacidade, perda de autonomia, até a presença de efeitos devastadores para aqueles que sofrem da doença.

A osteoporose é detectada através de várias técnicas de diagnóstico por imagem, como radiografia, densitometria, tomografia computadorizada, ressonância magnética etc. Essas técnicas podem mostrar alterações nos ossos afetados pela osteoporose, incluindo fraturas e diminuição da densidade mineral óssea.

Em que consiste o tratamento?

Em primeiro lugar, a prevenção primária deve ser levada em consideração para promover a aquisição da maior densidade óssea possível e reduzir o risco de sua diminuição. Para isso, recomenda-se incluir uma dieta saudável, com uma ingestão adequada de cálcio e vitamina D e realizar atividade física moderada regularmente, seja aeróbica, de força e de resistência. Outras medidas importantes são parar de fumar e diminuir a ingestão de álcool. Todas essas ações saudáveis também são favoráveis se realizadas após o diagnóstico de osteoporose.

O movimento dos músculos e ossos durante o exercício estimula a formação de células do tecido ósseo, uma vez que fortalece os ossos. Caminhar a passos rápidos, dançar ou correr são alguns exemplos de exercícios aeróbicos que podem ser realizados para essa finalidade. Para pessoas mais velhas, uma caminhada simples realizada regularmente é um bom começo. Contudo, quanto mais vigoroso for o exercício, melhor.

Os exercícios de fortalecimento muscular são igualmente importantes. Eles trazem força aos músculos de suporte que rodeiam os ossos. Eles melhoram o tônus, o equilíbrio, o que ajuda a prevenir, em certa medida, o risco de queda. Esses exercícios incluem flexões e levantamento de peso, mas não requerem necessariamente que ele seja realizado em uma academia. Existem alternativas simples que podem ser implementadas no lar.

O exercício influencia a densidade mineral óssea, mas também indiretamente reduz o risco de fraturas, melhorando a mobilidade, força muscular e o equilíbrio.

Após a detecção da presença de osteoporose, deve-se investigar a possibilidade de causa secundária por parte de quem deve receber um tratamento específico. Por exemplo, no caso de uma deficiência de vitamina D, alguns medicamentos, uma doença endócrina. Também é importante identificar pessoas com alto risco de fraturas devido a osteoporose e aquelas com osteoporose que progride rapidamente, a fim de aplicar todas as estratégias que minimizem a morbidade dessa doença. Recomenda-se incluir todas as medidas que reduzam o risco de fraturas: promover a força e o equilíbrio, melhorar a marcha e evitar os riscos de quedas, como problemas visuais, tonturas, dificuldades de caminhar, calçados inadequados, falta de corrimão em escadas e banheiros, pouca iluminação, risco de tropeçar etc. A Administração Federal de Alimentos e Fármacos dos EUA (FDA) aprovou vários medicamentos para a prevenção ou tratamento da osteoporose, com base na sua capacidade de reduzir as fraturas: bisfosfonatos, hormônio paratireoide, inibidores do ligante do sistema RANK, agonistas/antagonistas de estrogênio (moduladores seletivos do receptor de estrogênio), calcitonina, terapia de reposição hormonal (estrogênios e progestogênios)

A importância de evitar quedas…

As quedas podem ter um impacto muito desfavorável em pessoas com osteoporose, levando a fraturas, incapacidades e mudanças no estilo de vida. Portanto, é importante evitar as quedas.

Alguns conselhos para se evitar quedas

• Faça da sua casa um lugar seguro: elimine os riscos, evite os pisos escorregadios, certifique-se de que os tapetes estão justos ao chão, instale barras de apoio e coloque iluminação adequada.

• Use calçado adequado: o calçado deve ser confortável, com sola antiderrapante e com bom suporte.

• Mantenha a vista limpa: limpe seus óculos; Evite óculos de sol que limitem sua visão.

• Realize atividade física regularmente: exercícios de resistência ajudam a fortalecer os músculos.

• Mantenha uma dieta saudável: consumir vegetais e frutas e alimentos com bastante cálcio.

• Tenha em mente que certos medicamentos podem causar tonturas ou fraqueza: fale com seu médico se você tiver algum desses desconfortos com sua medicação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.